sábado, 26 de março de 2011

Silver,blue,black Goth makeup (((Video Tutorial)))

Olá minhas queridas Ladys, estou aqui postando mais um vídeo tutorial de make que encontrei, simples e facil de fazer para deixá-las belissimas! Testado e Aprovado ok?!!
Bjinhos a todas e espero que aproveitem xD

Snovonne


A cantora e compositora vive por turnos, em Londres, EUA e Eslováquia, atualmente residindo em Hannover, Alemanha. Ela representa o temperamento e a imprevisibilidade de Kate Bush, a monumentalidade de orquestra e teatral de Meat Loaf e as amarguras lúdicas da linguagem usada por Marilyn Manson.
Música de Snovonne é uma mistura de temperamento valente e riffs pesados com melodias frágeis e de partir o coração. Pura elegância em todos os tons dark cheios de expressão e emoção. Cada palavra que ela escreve e canta em cada nota é vivida até aos ossos. Essa autenticidade faz com que oo fãs , se relacionem com ela ,eles mesmo traduzem as letras em diferentes idiomas e apresentám em seus perfis como algo que define a sua personalidade.


No Rock e metal é onde Sno se sente em casa, mas ela geralmente se mistura com elementos de diferentes gêneros. Como ela diz: "depende do que a música precisa".
It’s Sno, Baby - Not Sugar Foi gravada por Sno no seu home studio em Londres. Ela passou os últimos dias de 2009, em Hannover, Alemanha, com Jan Nemec (Magic Minds music, trabalhou com o Celtic Frost, Grave Digger, Kreyson) produzindo o álbum, mixagem e masterização.
O álbum está agora fora digitalmente e Snovonne tem planos para o apresentar ao vivo em vários países europeus.

Agora meus queridos deixo pra vocês um vídeo (recente) da Banda. **sessão vídeo** .Espero que gostem! 
E caso queriam ver a banda que vcs gostem aki no blog é só enviar um email para: lady.dark_antonielle@hotmail.com



sábado, 12 de março de 2011

Rótulos dentro da Sub-Cultura Gótica

Olá meus queridos Anjos Caídos, estou aqui nesse momento expressando meu tipo de protesto contra os esteriótipos que existem dentro da sub-cultura gótica, e nessa postagem resolvi citar alguns muito comuns dentro da tribo. Se fosse pra nascermos rotulados tinhas nascido garrafas de refrigerante. Gótico é Gótico, não importa qual a linha que siga, o que importa é ser quem vocês são! JÁ CHEGA DE RÓTULOS

Baby bat: Um termo depreciativo para os góticos “wannabe” que só são familiarizados com os aspectos superficiais da cultura. Usam o gótico sempre de forma estereotipada, são os populares “trevosinhos”. Eles podem fazer uma maquiagem horrível e só ouvir as bandas populares de rock gótico. São principalmente adolescentes ou pré-adolescentes, no entanto as pessoas tendem a rotular com esse termo alguém que não gosta. Muitas pessoas preferem não utilizar o rótulo, porque implica uma atitude eu sou“mais gótico do que você” (more gothic than thou).

  
Batcave: Um clube de Soho (Londres), que começou no início dos anos oitenta e alimentou a primeira geração de góticos de herança punk. Bandas como Alien Sex Fiend tocaram nesse club. Foi encerrada anos depois com a morte aparente do movimento gótico no Reino Unido. O termo batcave também é  usado para o estilo gótico inclinado para o punk.

Bondage babe: Meninas vestidas com roupas de fetiche de clubs, incluindo o colar,  braceletes,  cinto de bondage e algum tipo de látex, vinil ou roupa de borracha. Normalmente, destina-se a média das pessoas que estão seguindo a tendência da moda fetiche e não aqueles que sabem muito sobre fetiche e cultura BDSM.  O pesquisador Gavin Baddeley em seu livro “Goth Chic: um guia para a cultura dark”, acredita que o que levou os  punks a usarem o visual bondage foi o “shock chic”, uma maneira de chamar atenção. E os góticos deram continuidade.

 
Bondage gear: Por exemplo, pulseiras, cintos, colares e outros, que terão um anel de metal ou anel D em anexo.  O objetivo é juntar algo como uma corda, por exemplo,  ao anel de metal em uma espécie de forma de restringir os movimentos de uma pessoa, assim a idéia de “dominação”.  É uma tendência popular entre os góticos, mesmo que não o usem  para a dominação.

BDSM: Representa bondage, dominação, e sado-masoquismo (também relacionados a dominação & submissão = DS).  É uma forma de jogo sexual consentido entre adultos, muitas vezes envolvendo fetiches, enfocando o sensual, o erotismo e a experiência mental sobre a relação sexual normal.  Exige um grande nível de confiança e de comunicação emocional entre os parceiros.  Embora os góticos roupas ligadas ao BDSM, a maioria das pessoas vestindo calça de vinil e pulseiras de escravidão não sabem nada sobre BDSM e estão seguindo uma tendência de estilo. A maioria dos praticantes de BDSM não tem nada a ver com o gótico, e vêem o BDSM como um estilo de vida e não um acessório.
 
Doom & Gloom: O tipo de gótico focado no mórbido, trágico, deprimente ou em temas apocalípticos.

“Everyday is Halloween” (Todo dia é Halloween): Esta frase vem da música “Everyday is Halloween” pela banda Ministry.

Fetiche: O foco excessivo em um objeto. O estilo fetish abrange um vasto leque de tecidos como o couro, PVC, vinil, borracha e látex.  Ele também inclui itens tais como stiletto heels, botas na linha da coxa, corsets e outros itens “bondage gear”. Outros itens não propriamente fetichistas podem ser alvo de um fetiche.
(First generation/ second generation) – Primeira geração/ segunda geração : A primeira geração dos góticos surgiu principalmente no Reino Unido no final dos anos setenta e início dos anos oitenta com uma parte do movimento punk. Bandas Damned, Bauhaus, Siouxsie and the Banshees e Joy Division tornam-se referência dessa primeira geração. Eles foram chamados góticos mais tarde, mas a maioria não se considera gótico. Até meados dos anos oitenta, o movimento gótico foi diminuindo.  No final dos anos oitenta e início dos anos noventa, uma nova geração de bandas góticas emergiu, por exemplo, The Shroud, Rosetta Stone, Nosferatu e London After Midnight, que foram os primeiros a se definirem como góticos. Acredita-se que essa seja a segunda geração, embora muitos da primeira geração não acreditem nisso. Na segunda geração,  o  movimento gótico cresceu significativamente e o Gótico se tornou reconhecido como uma subcultura distinta.

 the Damned

Glam goth: A expressão sarcástica usada por bandas (e seus fãs), que são excessivamente preocupados com a “montação goth”  estereotipada. Estas bandas podem gastar mais tempo para colocar a sua maquiagem para um show do que que no tempo de duração do próprio show. Você pode encontrá-los cantando sobre angústia e tragédia, vampiros ou fazendo coisas muito extravagantes.

Integridade: Uma banda com integridade, não irá comprometer seu conceito artístico para vender mais discos. Integridade significa que uma banda está criando algo significativo ou original da música. 

Kindergoth: Termo depreciativo, significando tanto um poser como um baby bat (morcego bebê). Também pode ser um termo neutro, indicando um jovem gótico.


Mansonite: O Mansonite adora Marilyn Manson. Este termo é usado geralmente para aqueles fãs que gostam de vestir-se e fazer a sua maquiagem  como Marilyn Manson.  Muitos góticos usam este termo de forma depreciativa para os adolescentes que gostam de Marilyn Manson.


Mopey goths: Góticos que possuem um senso de angústia superdesenvolvido. Estes góticos são aqueles que você pode encontrar  em cantos escuros, ponderando a dor da existência. Em geral, eles tendem a levar a vida muito a sério.

“More gothic than thou” (Mais gótico que você): A frase sarcástica usada para designar uma atitude esnobe, ou descrever as pessoas que se levam muito a sério. Alguém  com uma atitude “More gothic than thou” provavelmente vai falar sobre as bandas góticas dizendo: “Você provavelmente nunca ouviu falar deles.”

Net.goth: Um termo para os góticos que tem uma presença bastante conhecida entre a comunidade gótica na internet.

Ninny: Um termo depreciativo para entusiastas da banda Nine Inch Nails. O símbolo do Nine Inch Nails é NIN O termo é usado para expressar a idéia de que pessoas que gostam de Trent Reznor e Nine Inch Nails são tolas.


 “Oh, so gothic” (Oh, tão gótico): A frase é usada para expressar a opinião de algo digno para o Gótico, ou seja, “Eu vejo que você tem todos os álbuns dos Bauhaus em vinil. Isso é, “Oh, tão gótico”, ou “Aquelas velas em cima de crânios são tão góticos “.  Também é uma frase sarcástica para aqueles que se encaixam na imagem de gótico muito sério.

  
“Oh, angst of it all” (Oh, a angústia de tudo): A frase sarcástica usada para imitar os góticos que se levam demasiado a sério e estão constantemente em grupos.
Hardy: Oh vida, oh azar... Oh, a angústia de tudo!

Perky Goth: Esses  góticos são  alegres,  gostam do estilo gótico e da música, mas não gostam da desgraça e da atitude melancolica que alguns góticos teimam em adotar.  Perky goths não se levam muito a sério, eles gostam de se divertir. Você vai encontrá-los, muitas vezes usando, por exemplo, glitter no rosto e uma mistura de preto com outras cores.
  
Rivethead (cabeça de rebite): Um termo recente bastante utilizado para descrever os fãs de música industrial.  O termo já existia nos anos de 1940, era uma gíria usada para designar operários americanos.  Chase da Re-Constriction Records, especializada em Música industrial fez o termo tornar-se conhecido.  No entanto, manteve-se apenas como um estilo musical por muito tempo antes de uma cultura desenvolver-se em torno dessa cena.  O rivethead e a subcultura gótica frequentemente se confundem.



Spooky kid: Este é um termo muito recente e que ainda não foi muito usado.  Os  spooky kids são seguidores do Marilyn Manson e Nine Inch Nails e são na sua maioria pessoas com menos de 18 anos de idade.  Originalmente o nome da banda de Marilyn Manson era Marilyn Manson e The Spooky Kids. As pessoas confundem os spooky kids com os góticos, o que é frustrante para alguns membros da segunda subcultura. Os góticos acreditam que todas coisas estúpidas que os spooky kids fazem atingem de forma negativa a subcultura gótica. Esse termo é parecido com o baby bat, mas refere-se exclusivamente aos fãs de NIN e Manson. Os góticos acham que os spooky kids são “posers”.
 Marilyn Manson and Spooky Kids

(((E aí? Vocês concordam com esse tipo de rótulo? Expressem o que vocês acham, sendo de forma positiva ou negativa. Opinião é opinião, só ñ aceito xingamentos, pois sei bem que são seres civilizados e vão saber como se portar perante algo que é tão discutido!)))

Virgin Black


Virgin Black é uma banda australiana que combina o Gothic / Doom Metal com uso de instrumentos Sinfônicos.
Na ativa desde 1995, os australianos do Virgin Black vêm fazendo seu nome no cenário mundial com sua mistura de gothic-metal com atmosferas dark e elementos orquestrados. Tendo feito algumas turnês pelos EUA com bandas de renome, este talentoso quinteto chega a seu terceiro CD, Elegant And Dying, lançado em 2003 e que chega a nossas mãos via Silent Music/Encore Records. Uma banda curiosa, pela proposta, e por pregar a temática cristã em suas letras, fugindo do tradicional white-metal.

 
E estamos diante de um CD diferenciado, não há duvidas: basta ouvir os 6 minutos da intro “Adorned In Ashes”. Orquestrada, bucólica, e deprê, porém bela e instigante, abrindo espaço para a sensacional “Velvet Tongue”, com seus 7 minutos de metal, gótico, orquestras, vocais urrados e mudanças de andamento. A bela suíte “And Kiss Of God’s Mouth”, dividida em duas partes, traz desde bons solos, melodia, até peso, riffs cadenciados, um som intrincado e curioso.
 

Quem disser que os alemães do Lacrimosa influenciam o Virgin Black está certíssimo. “Renaissance” (com suas passagens suaves) e “The Everlasting” (com seus intrincados 17 minutos) tem muito da obra do irmão mais famoso. Assim como a cadenciada “Cult Of Crucifixion” e os oito minutos da gothic-pop “Our Wings Are Burning”. Um CD de difícil assimilação, porém interessante e instigante.



Formação:

* Vocais/Teclados - Rowan London
* Guitarras, Cello - Samantha Escabe
* Bateria - Mathew Enright
* Baixo (Australia) - Matthew Phillips
* Baixo (internacional) - Craig Edis
* Guitarra - David Manson, Mark Kelson

Discografia:

* Australian Metal Compilation IV - Falling on Deaf Ears, 1996
* Virgin Black Demo, 1996
* Trance EP, 1998
* Sombre Romantic, 2001
* Elegant…and Dying, 2003
* Requiem - Mezzo Forte, 2007
* Requiem - Fortissimo, 2008

Boa noite a todos, agora é a sessão vídeo xD  (( A-P-RO-V-E-I-T-E-M ))

sábado, 5 de março de 2011

Gothic Visual Kei Makeup ((( vídeo tutorial )))

Olá minhas queridas Ladys, estou aki simplesmenete para ajudar vocês com mais um tutorial interessantissimo de make pra vcs arrebatarem profundamente os corações vazios dos solitarios durante a noite!
Esse vídeo Tutorial foi inspirado nos Visuais Keis e nas Garotas de Harajuko (Japão) que tem um estilo bastante exótico! Bem espero que aproveitem...


Essa foi só mais uma dica de make, mas se vocês quiserem se inspirar mais, deixo um link para um video com modelos de make gótica pra vocês tentarem fazer!  É só ir no link aki em baixo
Modelos de Make Góticas para inspiração *-* 

Obrigada a todos pela visita, espero que tenham gostado e Bons sonhos obscuros!

terça-feira, 1 de março de 2011

Penumbra

Olá Meus queridos seres da noite, estive um tempinho sem postar nada, mas agora quero me redimir com um presentino pra vocês... Essa banda Francesa em chamou a atenção por sua mistura erudita e agora quero compartilhá-la com vocês!
 

A história dessa banda francesa começou quando Dorian e Jarlaath se conheceram após assistirem a um Concerto de música clássica em 1996. Assim, perceberam que havia uma imensa similaridade musical entre eles. Por exemplo, ambos concordavam que o Metal deveria sofrer influência clássica e não podia limitar-se aos vocais urrados e riffs repetitivos. Porém, até aquele momento não havia bandas que seguissem este conceito.
Pouco tempo depois, os jovens músicos se reuniram e realizaram um ensaio, contando com a presença de um soprano e um teclado. Jarlaath também inseriu o oboé. O ensaio foi tão bem sucedido que eles decidiram criar a banda Imperatória. Porém, em novembro de 1996, houve uma divisão. Jarlaath, Dorian e Herr Rikk se uniram a outros três músicos e fundaram o Penumbra.

A primeira apresentação ao vivo ocorreu no Festival da Universidade de St. Denis, onde tocaram apenas bandas de Metal. O público se entusiasmou e aclamou os novatos. Assim, foram convidados a tocar com a banda francesa de metal Misanthrope. Novamente a repercussão foi positiva. O respeito e o espaço foram sendo conquistados aos poucos. A banda também percebeu que o aspecto visual das apresentações exercia um papel muito importante. A partir deste momento, investiram em artigos teatrais como fantasias e pirotecnia.
 

Em 1997, o Penumbra gravou sua primeira demo intitulada Falling Into My Soul, que obteve um ótimo retorno e abriu as portas para que no verão do ano seguinte, iniciassem as gravações do álbum Emanate. Nesse período, Benedicte deixou a banda para ingressar no Misanthrope, em seu lugar chegou Zoltan (teclados). David (irmão de Herr Rikk), substitui Nicolas que foi convidado pelo Forest of Souls; além de outros integrantes que também foram substituídos.

As faixas que compõem Emanate foram arranjadas com o auxílio de dois sopranos e um barítono: Medusa, Elise e Aramis. Após o lançamento em 1999, segue-se a divulgação do álbum com apresentações pela França e Suíça.

No ano de 2001, Scyllia deixa o Penumbra para seguir em projetos paralelos; além de Hekchen e Aldric. O baterista Garlic e o guitarrista e vocal Agone ingressam na banda. Nos meses de abril e maio iniciam-se as gravações do segundo trabalho: The Last Bewitchment.



Este álbum só foi concluído no final do mesmo ano, e logo após, Medusa também deixa a banda alegando razões pessoais. The Last Bewitchment contou com o apoio do renomado Terje Refsnes, produtor de artistas como The Sins of Thy Beloved e Tristania. Além de dois violinos, uma viola, um cello e um coral composto por sete vozes.
No início de 2002, a cantora lírica Kyrsten ingressa no Penumbra. A banda retoma as apresentações ao vivo, desta vez com a participação da convidada Stephanie. Neste período foram realizadas apresentações na Holanda e na França, ao lado do Within Temptation.
O terceiro trabalho intitulado Seclusion foi lançado em 2003. Desta vez com Anita Covelli nos vocais, o álbum dá continuidade ao anterior e conclui a trilogia iniciada com Emanate. Seclusion caracteriza-se através das guitarras consistentes; além dos ricos arranjos de cordas e sopros. A faixa Hope traz uma atmosfera gótica, intensificada em Conception e Enclosed.
A banda é muitas vezes comparada à uma mistura de estilos de Tristania e Therion, originando um novo gênero, um tanto indefinido.
Apesar da constante substituição de músicos, o Penumbra se mantém como uma das forças do Metal europeu. Ao que parece, os diversos integrantes que transitaram por esses anos, acrescentaram influências específicas na sonoridade geral. Assim, cada álbum do Penumbra se destaca pela originalidade.
Aqui deixo pra vocês uma das músicas que eu gostei muito assim que ouvi, me deixou completamente aerea, foi como se estivesse voltando no tempo... Espero que gostem!

Grito da Noite



Dor, desespero, ressentimentos, agonia.
Agora então percebo,
volto a me alimentar da antiga tristeza,
meu alicerce embasado se enfurecia
de tamanha retumbância e carnificina
provocada por meus pensamentos.
Sucessivos e destrutivos litígios
entre a mente e o coração...
Qual seguir? Como agir?

Transpareço a falsa alegria diária em meu rosto
quando a verdadeira está em meu peito,
exatamente quando distante da realidade estou,
tão distante que penso ter alcançado
a “felicidade eterna” dos românticos de outrora.

Compulsivos e frenéticos sons de desespero,
gritos ressoam como pesadelos
e enfraquecem minha resistência.
Batalha perdida que insisto na luta,
tragando os resquícios de minha alma
espalhados no ar, pedaços mínimos
que tento retomar.

Uma imagem a minha frente...
O sangue espalhado de minhas veias
no sujo chão que pés impuros pisam!

Melancólica noite onde o vento uiva
como um lobo a chorar a morte,
essa tristeza é a mesma que sinto,
mas não por falecer,
simplesmente por viver no sofrimento
que acompanha meu corpo.

Loucura, insanidade...
Trata-se apenas de minha realidade
exposta num poema encharcado
com o desejo de tempos
envolvendo meus olhos com o conforto
que rola pelo meu rosto,
onde procuro as respostas para esse agouro
de tristeza sem propósito que não nasce,
apenas existe e continua em mim.

 by: Lady Dark † Antonielle (eu)