sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Visões sobre góticos ((( vídeo )))

Bom gente andei já à algum tempo assistindo vídeos e observando tanto online como de perto o que as pessoas atualmente vem pensando sobre góticos de uns anos pra cá e andei percebendo o quanto tais visões vem mudando... Com relação ao vídeo que pretendo postar agora percebi uma certa divergência de opiniões dentro da subcultura de pessoas que viveram, que vivem e de pessoas se só ouviram falar... É um vídeo relativamente interessante pois mostra exatamente o que normalmente passamos e sofremos com comentários maldosos e sem escrúpulos.
Já na minha própria experiência no dia a dia tenho chegado a conclusão de que "SIM a estética realmente na subcultura Gótica é tudo" (para quem não vive em nosso meio). Como comecei a estagiar na minha área de curso da faculdade (Direito) vem sendo necessário me vestir de outra forma para trabalhar e manter um relacionamento saudável com meus "colegas de trabalho" pois pra eles que não estão acostumados com algo tão "estranho" a aparência de um gótico pode vir a ser simplesmente "agressiva demais".
Comecei nos meus primeiros meses ainda tinha meu cabelo roxo, que por sinal sinto tanta falta T-T, e percebi alguns olhares de espanto (que já era de se esperar, como sempre), mas quando precisei deixar meu cabelo novamente preto para poder tratar, cauterização básica, alguns chegaram até mim dizendo que meu cabelo roxo era terrível e que eu tava melhor assim kkkkkkk... Bem isso chega a ser questão de opinião e gosto, mas o que estou querendo dizer é que a nossa sociedade ainda não se acostumou com aquilo que chega a ser FORA DOS PADRÕES DITADORES SOCIAIS. Mesmo quando saio com meus amigos e ainda me visto como Gótica para os bares, show e simples conversas, ainda sinto olhares me esfaqueando pelas costas!
Quero preparar aqueles que ainda estão conhecendo a subcultura: NÃO VAI SER FÁCIL O PRECONCEITO INICIAL, mas se for algo que realmente se identificar NÃO DESISTA DE SER QUEM VOCÊ REALMENTE É!

AGORA para vocês o Vídeo :)


domingo, 8 de dezembro de 2013

Voltando (mais uma vez)

arte de Victoria Frances
Meus queridos seres da noite, perdoem-me por ter demorando tanto a postar no blog novamente, sei bem que gostam de novidades e tudo mais, mas estava sem tempo por conta da faculdade (que tomou praticamente todo o meu bendito tempo) e  também após um tempo, ainda esse ano, me mudei de bairro e daí foi mais um tempo sem internet até que a mesma fosse transferida pro atual AP que estou morando agora!
Espero conseguir mais tempo esse final de anos nas férias e também que minha criatividade flua com mais frequência para que eu consiga postar mais coisas legais pra todos vocês!
Bjos de saudades a todos!

Antonielle† Lady Dark

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Death Rock é Gótico?



Muita gente não sabe, mas o Death Rock é o segundo estilo mais usado entre os góticos do mundo!
O estilo surgiu no final dos 70's tendo ainda uma grande influencia do Punk Rock norte americano. Sendo mais precisa teve origem na costa Ocidental dos Estados Unidos: Los Angeles, e assim teve um certo revivalismo em relação à influência na música gótica. Uma das bandas que costumo ouvir muito é The Misfits, que influenciou muitas bandas que seguem essa linha e que assim costumam apresentar imagens relacionada com temas mórbidos, próprios de vários grupos musicais de Los Angeles.
 

Em geral a música death rock se caracteriza por uma atmosfera introspectiva dentro de uma estrutura musical punk, ou seja nada mais é do que um instrumental Punk com letras mórbidas puxando mais pro lado gótico da coisa. Músicas de death rock se utilizam na maioria das vezes de acordes simples, guitarras ecoantes que geralmente servem de pano de fundo musical junto com sintetizadores,a bateria geralmente reproduz o estilo tribal dentro de uma assinatura de tempo 4/4 do pós-punk (estilo consagrado por bateristas do UK Decay, Bauhaus, Southern Death Cult, Ritual, Sex Gang Children, bandas estas que inclusive são extremamente significativas para o deat hrock). Em bandas mais recentes de death rock, é comum também o uso de baterias eletrônicas e texturas ambientais complexas feitas por sintetizadores e vocoders, influência vinda diretamente do darkwave.

As letras variam muito, geralmente trazendo um tom introspectivo, mais propriamente surreal e bipolar do que depressivo, como no caso de letras de música gótica. Temas recorrentes são isolamento, desilusão, perda, depressão, vida, morte, todos ligados a uma forma de percepção violentamente individualista, hedonista e incongruente com padrões de comportamento. Um bom exemplo do padrão que segue letras de death rock é "Lindsay's Trachea" do grupo californiano Cinema Strange (muito recomendado pra quem nunca ouviu *-*), que trata do diálogo interno de um doutor esquizofrênico com sua segunda personalidade.



 O tema explorado é o da dor e morte física como correlato da degradação mental constante no estilo. Outra constante na temática das letras é a do humor negro, às vezes narrativas extravagantes e de gosto duvidoso sobre violência e psicopatia, o que leva algumas bandas a incorporarem elementos de psychobilly e surf rock.
Contanto, a estrutura relativamente simples das letras é compensada por uma atmosfera densa, e o ritmo, que no rock é geralmente tecido pela interação dos instrumentos, fica a cargo da expressividade do vocalista. Vocalistas de death rock, assim como os de pós-punk, são tipicamente donos de vozes únicas e forte presença de palco, alguns partindo para a teatralidade que age em relação à própria temática bizarra das músicas.


Aqui no Brasil a influência de bandas do pós-punk britânico (sobretudo do Bauhaus, Skeletal Family e Alien Sex Fiend) e alemão (X-mal Deutschland) se fizeram visíveis em bandas, visuais e casas noturnas em meados do final da década de 80's (Assim como as influências do movimento deathrock inicial da Califórnia, sendo 45 Grave e Christian Death as bandas mais conhecidas pelo Brasil nas décadas de 80 e 90). Mas o cenário do Death Rock aqui no Brasil se diferenciou muito das cenas estrangeiras, que grandes movimentos surgiram; por um lado por falta de meios materiais para adquirir material musical e gráfico estrangeiro nos anos 1980 (período de crise financeira no país) e pelo nível cultural da população na época (em que, ao contrário do que acontece hoje em dia, pouquíssimos eram os que conheciam a língua inglesa para lerem grande revista do gótico e pós-punk da época, como a NME). 
Em partes esta limitação do público se deu como consequência do fechamento do país em função da ditadura militar que se estendeu até metade da década de 1980. Assim, pode-se falar de um punk brasileiro totalmente diferente do britânico.O mesmo vale para o gótico, que até os anos 1990 era dividido em um público dark (o que seria mais próximo do públicação deathrocker californiano dos anos 1980) e um público 'gótico' propriamente dito. A divisão se desvaneceu com o enfraquecimento maciço do movimento durante os anos 1990.


Mas foi em meados de 2003 que o chamado 'revival death rock' que acontecia na Califórnia desde o ano de 1998 foi atuar diretamente na cena gótica paulistana, de onde todos os deathrockers da cidade então resolveram se juntar e aparecer. Neste ano os deathrockers foram se consolidar como um grupo bem definido, iniciando atividades de divulgação diversas por casas noturnas como o RIP em Pinheiros e Deathrock Project na Zona Leste. No mesmo ano começa a veiculação do fanzine 'Batzone', seguido pelo fanzine Marcha Fúnebre e Acefalia, todos extintos atualmente. Em um ano o número de edições de todos estes fanzines juntos chegou a onze. Durante algum tempo a cena deathrock se encontrava dependente e totalmente mesclada à punk e gótica. Atualmente há cerca de três eventos na cidade de São Paulo (e um se desenvolvendo em Brasília) inteiramente dedicados ao estilo. Embora o foco da cena ainda seja São Paulo, há bandas e pequenos grupos em Brasília, Rio de Janeiro, Vitória, Salvador, dentre outros lugares do país!
 Bem, depois de ter falado sobre sua origem as conclusões ficam a critério de você, e realmente espero que o preconceito dentro da subcultura possa se resolver!
Beijos e Boa noite às Ladys e aos Lords.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Steampunk

 Andei olhando os arquivos do blog e percebi que tinha muita coisas sobre os estilos e vertentes do gothic que não havia aprofundado as informações pra vocês, então resolvi por um pouco mais sobre o Steampunk.






 


Trata-se menos de uma organização e mais de um conceito, sobre o qual representantes da comunidade SteamPunk podem criar suas Lojas, como são denominadas as células montadas a partir do conceito do Conselho.

Para tanto os idealizadores lançaram mão de conceitos sofisticados que garantissem a possibilidade de qualquer um, em qualquer lugar, independente do poder aquisitivo, idade ou qualquer outro entrave costumeiro, se visse impossibilitado de fruir a cultura SteamPunk do seu jeito e sem a necessidade de aderir a qualquer organização burocrática ou centralizadora.
O Conselho SteamPunk tem como missão oferecer mecanismos para a divulgação da cultura SteamPunk, disponibilizar material de referência, promover toda sorte de eventos correlatos, incentivar a produção cultural desta sorte de subjetividade, prestar homenagem a todos aqueles que criam material do gênero e produzir cultura SteamPunk em todas as formas que nos for possível.
O projeto do Conselho SteamPunk envolve uma série de iniciativas individuais e colaborativas que serão elencadas cumulativamente neste espaço.



SteamProcess

 


O SteamProcess é um conjunto de sugestões para aqueles que precisam de orientação acerca de como começar a se envolver com a cultura SteamPunk, o SteamProcess é um processo definido, uma metodologia flexível cujas partes ou o todo podem ser utilizadas, por quem quer que seja, para produção subjetividade conforme desejado, sem que haja qualquer compromisso com o Conselho.


SteamPedia

 

Repositório comunitário, a SteamPedia é um mecanismo do tipo Wiki, dedicado a produção colaborativa de documentos, permitindo ao entusiasta do gênero produzir conteúdo de referência acerca da produção de outros artistas ou ele mesmo produzindo material do gênero.

 

SteamPass

 

 


No interesse de unir os entusiastas da cultura SteamPunk, o Conselho sugere que sejam partilhados todos os cadastros de fãs que atendam a eventos organizados, com o objetivo de premiar cada interessado com passes que dêem direito a descontos, brindes, concursos ou entrada livre – um privilégio exclusivo dos cadastrados.

SteamCamps

 

Os SteamCamps tem por meta alcançar maior agilidade na elaboração de eventos, reuniões, jogos colaborativos ou teleconferências, tornando tão fácil quanto possível a tarefa de viabilizar um evento de pequeno ou médio porte. Seu funcionamento se baseia em Open Space Technology, método criado para facilitar a congregação de pessoas sem onerar nenhuma das partes, realizando o que convencionou-se chamar de “Desconferências”.

SteamParty

 

Para eventos maiores, o SteamProcess conta com uma base de dados colaborativa que dá dicas, idéias, informações sobre fornecedores, segurança, apoio, patrocínio, Lei Rouanet e tudo mais que cada Loja levantar a respeito da elaboração de eventos de grande porte.

Conselho SteamPunk § Brasil

 

O Conselho SteamPunk oferece apoio a quaisquer organizações ligadas ao movimento cultural SteamPunk no país

Para mais informações sobre o estilo e onde encontrar lojas que vendam roupas, acessórios e etc., entrem no site abaixo.

Informações retiradas do site: http://www.steampunk.com.br

segunda-feira, 4 de março de 2013

Edgar Allan Poe



Edgar Allan Poe nasceu no seio de uma família escocesa-irlandesa, filho do ator David Poe Jr., que abandonou a família em 1810, e da atriz Elizabeth Arnold Hopkins Poe, que morreu de tuberculose em 1811. Depois da morte da mãe, Poe foi acolhido por Francis Allan e o seu marido John Allan, um mercador de tabaco bem sucedido de Richmond, que nunca o adotou legalmente, mas lhe deu o seu sobrenome (muitas vezes erroneamente escrito "Allen"). Depois de frequentar a escola de Misses Duborg em Londres, e a Manor School em Stoke Newington, Poe regressou com a família Allan a Richmond em 1820, e registrou-se na Universidade da Virgínia, em 1826, que viria a frequentar durante um ano apenas. Desta viria a ser expulso graças ao seu estilo aventureiro e boêmio.

Na sequência de desentendimentos com o seu padrasto, relacionados com as dívidas de jogo, Poe alistou-se nas forças armadas, sob o nome Edgar A. Perry, em 1827. Nesse mesmo ano, Poe publicou o seu primeiro livro, Tamerlane and Other Poems. Depois de dois anos de serviço militar, acabaria por ser dispensado. Em 1829, a sua madrasta faleceu, ele publicou o seu segundo livro, Al Aaraf, e reconciliou-se com o seu padrasto, que o auxiliou a entrar na Academia Militar de West Point. Em virtude da sua, supostamente propositada, desobediência a ordens, ele acabou por ser expulso desta academia, em 1831, fato pelo qual o seu padrasto o repudiou até a sua morte, em 1834.

Poe mudou-se, em seguida, para Baltimore, para a casa da sua tia viúva, Maria Clemm, e da sua filha, Virgínia Clemm. Durante esta época, Poe usou a escrita de ficção como meio de subsistência e, no final de 1835, tornou-se editor do jornal Sothern Literary Messenger em Richmond, tendo trabalhado nesta posição até 1837. Neste intervalo de tempo, Poe acabaria por casar, em segredo, com a sua prima Virgínia, de treze anos, em 1836.

Em 1837, Poe mudou-se para Nova Iorque, onde passaria quinze meses aparentemente improdutivos, antes de se mudar para Filadélfia, e pouco depois publicar The Narrative of Arthur Gordon Pym. No verão de 1839, tornou-se editor assistente da Burton's Gentleman's Magazine, onde publicou um grande número de artigos, histórias e críticas. Nesse mesmo ano, foi publicada, em dois volumes, a sua coleção Tales of the Grotesque and Arabesque (traduzido para o francês por Baudelaire como "Histoires Extraordinaires" e para o português como Histórias Extraordinárias), que, apesar do insucesso financeiro, é apontada como um marco da literatura norte-americana.

Durante este período, Virgínia Clemm soube sofrer de tuberculose, que a tornaria inválida e acabaria por levá-la à morte. A doença da mulher acabou por levar Poe ao consumo excessivo de álcool e, algum tempo depois, este deixou a Burton's Gentleman's Magazine para procurar um novo emprego. Regressou a Nova Iorque, onde trabalhou brevemente no Evening Mirror, antes de se tornar editor do Brodway Journal. No início de 1845, foi publicado, no jornal Evening Mirror, o seu popular poema The Raven (em português "O Corvo").

Em 1846, o Brodway Journal faliu, e Poe mudou-se para uma casa no Bronx, hoje conhecida como Poe Cottage e aberta ao público, onde Virgínia morreu no ano seguinte. Cada vez mais instável, após a morte da mulher, Poe tentou cortejar a poeta Sarah Helen Whitman. No entanto, o seu noivado com ela acabaria por falhar, alegadamente em virtude do comportamento errático e alcoólico de Poe, mas bastante provavelmente também devido à intromissão da mãe de Miss Whiteman. Nesta época, segundo ele mesmo relatou, Poe tentou o suicídio por sobre dosagem de láudano, e acabou por regressar a Richmond, onde retomou a relação com uma paixão de infância, Sarah Elmira Royster, então já viúva.

Diferentemente da maioria dos autores de contos de terror, Poe usa uma espécie de terror psicológico em suas obras, seus personagens oscilam entre a lucidez e a loucura, quase sempre cometendo atos infames ou sofrendo de alguma doença. Seus contos são sempre narrados na primeira pessoa.

No dia 3 de Outubro de 1849, Poe foi encontrado nas ruas de Baltimore, com roupas que não eram as suas, em estado de delirium tremens, e levado para o Washington College Hospital, onde veio a morrer apenas quatro dias depois. Poe nunca conseguiu estabelecer um discurso suficientemente coerente, de modo a explicar como tinha chegado à situação na qual foi encontrado. As suas últimas palavras teriam sido, de acordo com determinadas fontes, «It's all over now: write Eddy is no more», em português, «Está tudo acabado: escrevam Eddy já não existe».

Nunca foram apuradas as causas precisas da morte de Poe, sendo bastante comum, apesar de incomprovada, a ideia de a causa do seu estado ter sido embriaguez. Por outro lado, muitas outras teorias têm sido propostas ao longo dos anos, de entre as quais: diabetes, sífilis, raiva, e doenças cerebrais raras


As obras mais conhecidas de Poe são Góticas, um gênero que ele seguiu para satisfazer o gosto do público. Seus temas mais recorrentes lidam com questões da morte, incluindo sinais físicos dela, os efeitos da decomposição, interesses por tapocrifação, a reanimação dos mortos e o luto. Muitas das suas obras são geralmente consideradas partes do gênero do romantismo negro, uma reação literária ao transcendentalismo, o qual Poe fortemente não gostava.

Além do horror, Poe também escreveu sátiras, contos de humor e hoaxes. Para efeito cômico, ele usou a ironia e a extravagância do ridículo, muitas vezes na tentativa de liberar o leitor da conformidade cultural. De fato, "Metzengerstein", a primeira história que Poe publicou, e sua primeira incursão em terror, foi originalmente concebida como uma paródia satirizando o gênero popular. Poe também reinventou a ficção científica, respondendo na sua escrita às tecnologias emergentes como balões de ar quente em "The Balloon-Hoax".

Poe escreveu muito de seu trabalho usando temas especificamente oferecidos para os gostos do mercado em massa. Para esse fim, sua ficção incluiu muitas vezes elementos da popular pseudo ciência, como frenologia e fisiognomia.  


Obras:

* A Dream (1827)
* A Dream Within a Dream (1827)
* Dreams (1827)
* Tamerlane (1827)
* Al Aaraaf (1829)
* Alone (1830)
* To Helen (1831)
* Israfel (1831)
* The City in the Sea (1831)
* To One in Paradise (1834)
* The Conqueror Worm (1837)
* The Narrative of Arthur Gordon Pym (1838)
* Silence (1840)
* A Descent Into the Maelstrom (1841)
* Tell Tale Heart (1843)
* Lenore (1843)
* The Black Cat (1843)
* Dreamland (1844)
* The Purloined Letter (1844)
* The Divine Right of Kings (1845)
* The Raven (1845)
* Ulalume (1847)
* Eureka (1848)
* Annabel Lee (1849)
* The Bells (1849)
* Eldorado (1849)
* Eulalie (1850)
* The pit and the pendulum (1842)
* William Wilson (1839)



Informações retiradas do blog Edgar Alan Poe

Hitórias em Quadrinhos com temas Góticos (((HQ's Góticas)))

Recebi a sugestão de um amigo que achei bem interessante, e resolvi postá-la aqui! Histórias em Quadrinhos com temas góticos, aposto que muitos conhecem pelo menos uma ou outra aqui citadas. Espero que gostem e se interessem em ler!


Jhonny the homicial maniac: é o primeiro comic de Jhonen Vasquez, criador do desenho cancelado pela nickelodeon por ser muito "estranho", "Invasor Zim", Johnny the homicidal maniac, um comic de humor negro e suspense que conta a historia de Johnny um menino com extintos de maníaco que diz ter seus motivos para matar, afirmando ter que manter "o muro fresco". De tanto matar para isso, ele acabou se tornando um psicopata e sádico, que julga as pessoas e condena do jeito que bem entende. São historias intermediarias, insanas em cada capitulo ,de onde surgiram muitos personagens, ideias e etc, porem censuradas e disfarçadas, que aparecem no desenho "invasor zim".

 
Lenore: é escrita e desenhada por Roman Dirge e conta a história de uma linda garota morta e de Mr. Gosh, o boneco que a ama (e que ela odeia). Lenore fez sua primeira aparição em 1992, na revista Xenophobe e foi concebida em homenagem à Lenore(ou Lenora) do famoso conto O Corvo, de Edgar Allan Poe(Alguem ai leu a Casa dos Horrores?), ganhando um título próprio cinco anos depois, pela SLG Publishing.  As histórias da menininha morta criada por Roman Dirge sempre tiveram o humor negro como tema central, mas Lenore de Dirge ainda conserva sua inocência viva, mas uma inocência mórbida e até mesmo um pouco macabra, seja acidentalmente matando o Coelho da Páscoa ou não tão acidentalmente assim matando repetidas vezes seu admirador, Mr. Gosh, Lenore subverte figuras e elementos da cultura pop, transformando o cotidiano em macabro.
Com uma peculiar atração por animais diminutos de estimação ou não, essa linda garotinha morta vai te levar à várias aventuras macabras, singelas, perversas, carinhosas e engraçadas!!
Para quem ficou com vontade, achei um link com revistinhas em flash ;)
https://www.youtube.com/watch?v=71Cb_Kvw-Lc
HellBlazer: tem como personagem principal John Constantine, que enfrenta anjos, demônios, espíritos e muitas outras criaturas.Esta HQ deu origem ao filme Constantine ao qual o protagonista foi interpretado pelo ator Keanu Reves,  HellBlazer é um selo da Vertigo. 


Casa dos Mistérios: é também uma das HQs mais famosas da Vertigo e uma das mais interessantes por conter várias histórias dentro de uma só, sem esquecer de falar dos mais variados personagens e criaturas que aparecem por lá.
Fig, Ann, Harry,Cress e os outros que estão aprisionados na casa convivem com criaturas sinistras...

Espero que tenham gostado e se interessado por esse tipo de leitura! Uma boa noite e bons sonhos, ou não...

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Cemitério da Consolação - Arte e História ao ar Livre

Túmulo da Família Matarazzo
Bom gente, eu sinceramente  nunca tinha ido a um cemitério tão lindo, com túmulos tão bem feitos, quanto o Cemitério da Consolação! Dar um simples passeio por ali é mesmo que visitar uma galeria de arte e esculturas  ao ar livre, é visitar nossa alma e refletir sobre a morte, e quais as historias dos donos daqueles corpos que ali jazem.
Após passar por aquele lindo portão planejado por Ramos de Azevedo é impossível não ficar encantada(o) com os monumentais mausoléus que se encontram logo na entrada.
Logo mais a frente, pra ser mais exata, na esquina a direita (Rua 1 - Terreno 3), em um túmulo simples mas ao mesmo tempo belo, repousa Maria Domitila de Castro Canto e Melo, mais conhecida como Viscondessa de Castro e Marquesa de Santos, uma figura Histórica dentre muitas outras que podemos encontrar lá, como Monteiro Lobato e até mesmo o Conde Alexandre Siciliano.

Túmulo da Marquesa de Santos

Mas eu não fui e não serei a unica curiosa que gosta de visitar cemitérios para se inspirar em poemas e escritos. À noite, semi enlouquecido pela morte de seu filho Emiliano, Fagundes Varela, muitas vezes vagou e assim se inspirou em um de seus mais belos poemas "Cântico do Calvário":




Como eras lindo! Nas rosadas faces
Tinhas ainda o tépido vestígio
Dos beijos divinais,- Nos olhos langues
Brilhava o brando raio que acendera
A bênção do Senho quando o deixaste!
Sobre o teu corpo a chusma dos anjinhos,
Filhos do éter e da luz voavam,
Riam-se alegres dos caçoilas níveas
Celeste aroma te vertendo ao corpo!
E eu dizia comigo:- teu destino
Será mais belo que o cantar das fadas
Que dançam no arrebol,-mais triunfantes
Que o sol que nasce derribando ao nada
Muralhas de negrume!...Irás tão alto
Como pássaro rei do Novo Mundo!
[...]
Dos sinistros impérios do além-mundo
Com seu dedo real selou-te a fronte!
Inda te vejo pelas noites minhas,
em meus dias sem luz vejo-te ainda,
Creio-te vivo, e morto te pranteio!...


Aqueles que tiverem a oportunidade de visitar eu aconselho, pois é completamente encantador o lugar e também as histórias escondidas por trás de anjos esculpidos em cada túmulo esquecido ou lembrado!
Uma das hitórias que mais me encantou foi a de um túmulo encontrado no fundo do cemitério pela mesma rua de entrada, que circunda a capela, após o edifício da administração, o túmulo de Roberto Cochrane Simonsen. O túmulo é lindooo, cinco anjos velando um Cristo Crucificado, deitado sobre o sepulcro (obra de Francisco Leopoldo Silva).

Túmulo de Fernando e Roberto Cochrane Simonson

O primeiro sepultamente nesse jazigo [Quadra 49 - Terreno 15] foi de um filho de Roberto, Fernando Cochrane Simonsen, que faleceu de peritonite (inflamação no peritônio, uma membrana serosa que reveste parte da cavidade abdominal). Em memória de seu filho, Roberto e sua Esposa fizeram uma grande doação a Santa Casa de Misericórdia para a construção de um prédio destinado a cirurgia pediátrica, o Pavilhão "Fernandinho Simonsen", agora é lugar onde milhares de crianças tem recebido assistência Gratuita, foi inaugurado em 1931.

Bem eu sinceramente espero que tenham se interessado mais por visitas em cemitério, porque além da tranquilidade e paz que o lugar passa, há muitas histórias a se desvendar!

O Cemitério da Consolação é aberto para a visitação pública TODOS OS DIAS das 06:00 às 18:00

Vampire Makeup (((Vídeo Tutorial)))

Saudações meus queridos leitores, andei um tempo afastada das atualizações do blog, mas agora voltei com algumas novidades pra vocês... Como alguns sabem sou de Maceió e estou a um tempo em São Paulo, passando as férias. Estava sem internet, mas consegui faz um tempo, o que faltava mesmo era criatividade pra escrever alguma coisa, mas creio que agora minha cabeça está melhor dos problemas que passei e de portas abertas pra novas postagens! Para começar vou postar uma make que vi uma minina no Dymitri rock bar usando, achei linda e resolvi procurar o tutorial, é bem simples, tendo apenas alguns detalhes diferentes de um esfumaçado comum!